10 sítios arqueológicos enormes e incríveis

23/08/2016 16:11
 
 
 
Pequenos artefatos antigos já são descobertas incríveis, mas, ocasionalmente, algo muito maior aparece.
Quando enormes ruínas são encontradas, é sempre emocionante poder dar uma espiada no passado e conhecer a nossa história. Veja:
 

10. Templo de Pan

 
 
Enquanto arqueólogos escavavam a antiga cidade de Hippos, no norte de Israel, eles encontraram uma máscara de bronze representando o deus grego Pan. Logo depois, descobriram uma enorme entrada para um grande edifício de pedra, que acredita-se ser os restos de um templo dedicado a Pan.
 
O complexo remonta ao tempo do imperador romano Adriano (cerca de 117 a 138 dC) e está localizado fora dos limites da cidade, semelhante a outros lugares dedicados à Pan. Esse deus meio-homem, meio-cabra representava os pastores. Celebrações para Pan eram conhecidas por sair do controle. Muitas vezes, o culto tomava a forma de rituais de êxtase incluindo beber vinho e dançar nu.
 
Devido à natureza dos rituais para o deus selvagem, as festas eram realizadas fora da cidade em ambientes rústicos, como uma caverna ou uma floresta, mas um templo longe do perímetro urbano também poderia funcionar.
 

9. O monumento de Petra

 
Petra tem sido um importante sítio arqueológico por séculos, mas uma inteiramente nova descoberta foi feita recentemente na área – um monumento maciço encontrado por satélites.
 
A plataforma elevada, do comprimento de uma piscina olímpica, não tem paralelo com qualquer outra estrutura em Petra. O local, agora uma atração turística, era parte de uma cidade caravana movimentada – cidade caravana é uma cidade situada em uma importante rota de comércio que deriva sua prosperidade de sua localização.
 
Quando Petra foi mapeada pela primeira vez em 1812, estruturas antigas foram encontradas no que era seu núcleo urbano, mas este monumento tinha permanecido obscuro até agora. Cerâmica encontrada perto do monumento indica que ele foi erguido durante os primeiros anos da cidade, como parte de um programa de construção pública.
 

8. Portões de Golias

 
A Bíblia frequentemente menciona os filisteus em todo o Antigo Testamento, mas evidências da existência desse povo permaneceram uma incógnita por muito tempo.
 
Em 2015, uma escavação em Israel descobriu portões maciços que teriam sido a entrada para a metrópole famosa de Gath. Os portões foram apelidados de “Portões de Golias”, devido ao seu tamanho enorme.
 
Durante os tempos bíblicos, Gath teria sido uma das maiores cidades da região. As ruínas de Gath foram investigadas desde 1899, mas foi só nos últimos anos que o tamanho da cidade foi reconhecido. Os portões monumentais recém-descobertos ilustram ainda mais claramente o quão impressionante este local foi um dia.

 

7. Superhenge

 

A apenas 3,2 km de distância de Stonehenge, encontra-se um monumento de pedra 15 vezes maior. Localizado em Durrington Walls na Grã-Bretanha, as origens do apelidado “Superhenge” são tão obscuras quanto as de Stonehenge.
 
Ao contrário do sítio arqueológico mais famoso, Superhenge não é mais visível acima do solo. Porém, suas pedras enterradas descobertas em 2015 fornecem uma imagem de como teria sido em seu tempo. As rochas com 4,5 metros de altura foram erguidas durante o período neolítico. Por alguma razão desconhecida, caíram cerca de 4.500 anos atrás e foram enterradas.
 
Devido à proximidade e semelhança com Stonehenge, acredita-se que ambos os locais estejam relacionados de alguma forma, embora só podemos supor qual era seu verdadeiro propósito, devido à falta de registros históricos.
 

6. Tzompantli

 
Uma descoberta macabra foi feita atrás de uma catedral da era colonial na Cidade do México: um tzompantli, ou altar de crânios, uma estrutura de madeira maciça que teria servido para chocar e aterrorizar quem chegasse na então capital asteca.
 
Construído entre 1485 e 1502, o altar possuía 35 metros de altura e 12 metros de largura. Era uma visão imponente, com certeza, com suas centenas de crânios, muitos dos quais haviam sido obtidos por meio de sacrifício humano. Aliás, os crânios não pertenciam a pessoas comuns; eram de guerreiros inimigos que foram capturados e decapitados.
 
O altar era simbólico de duas características importantes dos astecas: guerra e espiritualismo.

 

5. Ponte de Gales

 

Em 2012, arqueólogos descobriram restos de três toras de madeira colocadas juntas em Monmouth, no País de Gales. As toras eram enormes e provavelmente foram esculpidas a partir de troncos de árvores inteiras.
 
A princípio, os pesquisadores pensaram que a madeira era apenas uma viga antiga, mas quando perceberam que a área onde as toras foram encontradas costumava ser um lago, começaram a teorizar que poderiam ter sido uma ponte.
 
Tal ponte pode ter sido construída durante a Idade do Bronze, cerca de 4.000 anos atrás, mas uma data mais provável coloca sua edificação durante a Idade do Ferro. Houve outros usos para a estrutura; restos de carvão queimado foram encontrados debaixo da ponte, sugerindo que ali existia algum tipo de calha para aquecimento de água.
 

4. Vila romana

 
Em 2016, trabalhadores de construção civil que estavam escavando o quintal de uma casa residencial em Wilshire, na Inglaterra, descobriram um mosaico vermelho, branco e azul. Logo, ficou claro que a propriedade tinha sido construída em cima de uma antiga vila romana.
 
O mosaico foi datado de cerca de 175 a 220 dC. A casa de campo era espaçosa e luxuosa, sugerindo que foi construída por alguém de grande importância na era romana na Grã-Bretanha. Possuía três andares de altura e 20 a 25 quartos, antes de ser derrubada cerca de 1.400 anos atrás.
 
A moradia permitiu que historiadores tivessem um vislumbre da vida dos aristocratas romanos que ocupavam a Grã-Bretanha, e é um dos achados mais importantes da região.

 

3. Círculos neandertais

Na caverna Bruniquel no sul da França, centenas de estalagmites esculpidas foram encontradas projetando-se a partir do chão. O local foi originalmente descoberto em 1990, mas só pode ser estudado em 2013.
 
Os pesquisadores examinaram os círculos misteriosos construídos a partir das estalagmites, e há evidência de que eles foram alterados e usados por homens primitivos para gerar calor e iluminação, e para cozinhar.
 
Acreditava-se que os círculos tinham sido construídos cerca de 40.000 anos atrás, mas a datação por carbono indicou que as estruturas tinham surpreendentes 165.000 anos de idade. A única espécie na área naquele momento era os neandertais, que antes pensávamos serem brutais e pouco inteligentes.
 
As 400 estruturas de estalagmite contam uma história diferente. Os neandertais aparentemente possuíam conhecimento e astúcia para criar tais construções elaboradas.

 

2. Base naval grega

 

Milhares de anos atrás, a cidade movimentada de Atenas, na Grécia, começava a se preparar para uma guerra contra o Império Persa através da construção de centenas de triremes, antigos navios com remos.
 
Esses navios foram alojados em uma grande base naval. Levou mais de uma década para os pesquisadores estudarem plenamente os restos de tal base, uma vez que a estrutura teria sido um dos maiores edifícios do mundo no momento da sua conclusão.
Devido à grande poluição da água, havia muito pouca visibilidade quando os mergulhadores tentaram investigar o local, mas agora temos informações suficientes para fazer um palpite quanto à finalidade da estrutura. Construída entre 520 e 480 aC, o estaleiro provavelmente existiu durante a época de uma das batalhas navais mais cruciais na história grega: a Batalha de Salamina. Acredita-se que muitos dos navios de Salamina foram alojados no galpão naval de Atenas.

 

1. Old Sarum

 

Localizado perto de Salisbury, na Inglaterra, Old Sarum é um local histórico que fica acima das ruínas de uma cidade medieval. A cidade remonta ao final do século 11 e continha uma catedral e um castelo. Foi extinguida no século 13, cerca de 300 anos após a sua construção.
 
Há muito tempo se sabe que havia uma cidade em Old Sarum, mas foi só recentemente que os pesquisadores puderam estudar o local, que é protegido. Escavação à moda antiga não é permitida, de forma que os cientistas precisam usar técnicas de laser para ter uma noção das estruturas subterrâneas.
 
Com a alta tecnologia empregada, os pesquisadores descobriram restos de construções defensivas formando uma parede exterior, com muitas das outras estruturas da cidade localizadas dentro dessa área. Ruínas de casas residenciais estão espalhadas na região, e depósitos minerais indicam que havia fornos.
 
Por que a cidade foi abandonada permanece um mistério. 

 

Fonte\Fonte